Dor e glória



2019-11-03
Há muita coisa para ver neste "Dor e Glória" mas há, sobretudo, muita coisa para sentir. É, talvez, o melhor filme de Almodôvar, seguramente o que mais me tocou, talvez porque, um mês depois dos 45, já estou mais na meia idade que se cansa de olhar para trás, do que na adolescência que só quer fugir para a frente. 

É um filme muito bonito que mostra que há sempre uma possibilidade de nos apaziguarmos, mesmo quando não ouvimos dizer "a mãe ama-te como és". É duro, contido, elegante e uma oportunidade mais para se perceber que, por mais que custe, é possível encontrar beleza na dor, na angústia, no desespero, no luto e na melancolia, e que tudo isto pode, e deve, ser substracto para criação. Artística mas também humana. Imperdível.